07 janeiro, 2011

Las Hermanas

Posto aqui agora, uma lista de cervejas "hermanas", ou seja, originárias do Paraguai, Argentina e México. Interessante a característica comum entre elas da carbonatação levemente mais alta do que das cervejas brasileiras.

Vamos a elas.

Ouro Fino
A Ouro Fino é uma cerveja Paraguaia que me surpreendeu muito. É uma Lager, que possui aroma levemente frutado, com o paladar puxando para o lúpulo, levemente amargo. É uma cerveja leve, fácil de consumir em locais de clima quente como o nosso.
Essa cerveja possui um toque a mais de carbonatação. e sua cor é de um dourado muito bonito.
O creme tem boa formação com média duração. Mantém a média das Pilsen em teor alcoólico: 5%.


Baviera
Outra surpresa do Paraguai. Uma Lager, bem leve, muito fácil de consumir em climas quentes.
Como toda Lager, é carregada no lúpulo, tendo um paladar bem amargo. Seu aroma remete também ao lúpulo.
Sua cor é de um dourado muito bonito. A cerveja é levemente carbonatada. O único porém dessa cerveja é seu creme, com pequena formação e curta duração.


 



Amsterdam
A Amsterdam é uma cerveja Premium Lager, originária da Holanda. Seu aroma é levemente frutado, até meio adocicado. Porém, seu paladar é amargo, como toda Lager deve ser. Remete ao lúpulo.
É uma cerveja leve e pouco carbonatada, sendo de fácil consumo em climas como o nosso.
O creme possui ótima formação porém, média duração. Ela tá perdida aqui no meio pois essa que eu provei veio direto lá de baixo.

 

Schneider 
A Schneider é uma Lager argentina de origem alemã.
Possui uma coloração dourada, muito bonita. Seu creme tem baixa formação e média durabilidade. Seu aroma é levemente frutado, o que não é muito comum em Lagers. Seu paladar não é tão amargo, remetendo menos ao Lúpulo do que outras, como a mais famosa de todas, a Heineken.
Sua carbonatação é um pouco mais alta, característica que tenho presenciado nas cervejas de origem dos hermanos do Paraguai, Argentina e Uruguai.
Mesmo assim, é uma cerveja muito saborosa, quase o paladar de uma Brahma Pilsen e de fácil consumo. Quando estiver em terras portenhas, aconselho consumir essa gracinha. Sinceramente, muito melhor que a Quilmes.

Victoria
A Victoria é uma Lager paraguaia. Tem uma bela cor dourada, creme com boa formação mas com curta duração.
Seu aroma é fraco e seu paladar bem leve, pouco amarga, com um final levemente frutado. Mais uma vez, uma cerveja bem carbonatada. Acho que nós brasileiros é que não estamos acostumados com esse paladar mas é muito bom.

 



Corona
A Corona é uma Lager, sendo a cerveja mais consumida do México. Possui uma cor dourada muito bonita. Seu creme porém, tem uma formação muito fraca e de baixa duração. Possui aroma levemente lupulado. Seu paladar, apesar de lembrar lúpulo, é levemente amargo. De fácil degustação. Sua textura é leve e levemente carbonatada. Uma boa cerveja para locais de clima quente.





Aqui seguiram bons exemplos de cervejas latinas. Quando estiverem lá fora, já sabem o que consumir. Bom proveito. Eu recomendo.

3 comentários:

  1. Destas, a única que já tomei foi a Schneider, e também gostei. Não é nada de "ohhh, que cerveja maravilhosa", mas é uma boa cerveja.

    ResponderExcluir
  2. Caramba! Esse blog é uma perdição. Paixões da minha vida...cerveja e Rock'n Roll! Na veia! rsrs
    Bjs

    ResponderExcluir